O nosso desenvolvimento espiritual depende da nossa atenção e presença no agora. Adiar rituais e propósitos não serve para a nossa vida. É preferível mergulhar no dia-a-dia, na vivência das pequenas coisas do quotidiano para reconhecer o carácter sagrado, mágico e divino que está presente em tudo o que está a nossa volta. Por Maria Gorjão Henriques

O tipo de relações que mantivemos e os padrões que criamos para nós geraram sensações no corpo físico e emocional onde a mente ficou presa e se alimenta. São essas sensações que impulsionam a nossa vida e são perpetuadas de vida para vida através da lei da atração. A necessidade do inconsciente de repetição e criação das mesmas sensações nesta vida é que vai criar o padrão emocional e a forma de pensar e agir perante determinadas circunstâncias.

É impossível termos uma vida que não seja o reflexo do nosso mundo interior. No caso da relação amorosa ela é, sem duvida, o reflexo da lealdade, intimidade, necessidade de presença, Amor, respeito, dedicação e compaixão que praticamos para connosco.

Feliz Ano 2018

A equipa do Espaço Amar deseja-lhe um Feliz Ano 2018 com Consciência, Paz Interior e muito Amor!

No seu 10º ano de existência o Espaço Amar está em mudança. Vamos apresentar ao longo deste ano muitas novidades!

E para começar bem o Ano criamos um novo site e Newsletter para si.

 

A nossa Vida é uma grande co criação onde podemos ESCOLHER sermos o Actor principal, Realizador, Cameraman e/ou Espectador.

É urgente aprendermos a não reagir à proposta “dramática” e emocional que é vivida pelo Actor, só assim ganhamos afastamento e discernimento para compreender os motivos maiores que estão na base das propostas que a vida nos coloca todos os dias e só assim permitimos que a tensão se dissolva de forma natural.

Olá,

Acabámos de sair de 2017 e de entrar em 2018, e cada fecho anuncia sempre uma nova abertura, a vida cíclica funciona assim, um constante e cíclico movimento, que numa harmonia perfeita desenha as nossas vidas. Existem vários ciclos, de tempos e formas variadas, a passagem de ano civil, que se celebra em grande parte do mundo sempre a 31 de dezembro de cada ano, é um tipo de ciclo.

Nesta altura somos convidados a refletir sobre o ano que passou, e habitualmente pedimos os nossos desejos para o novo ano, plantando dessa forma, as sementes do novo ano que está a nascer.

Vamos ser realistas, toda a época das festas é muito stressante. Uma correria desenfreada entre presentes, festas, decorações, cozinha, embrulhos, laços, cartões, doces, viagens... E neste pacote ainda podemos incluir as cartas ao Pai Natal.

Enquanto uma parte de nós se ilumina com a euforia das festas animadas, as decorações elegantes, os petiscos deliciosos, toda a magia das luzes e dos aromas que enchem o ar... A outra já só tem vontade de se arrastar, na tentativa de conseguir sobreviver à loucura Natalícia.

Para complicar o panorama, temos sobre nós o peso da ilusão dos Natais perfeitos, saídos do imaginário literário, familiar, cinematográfico ou pior ainda, das redes sociais!

É difícil não sentir alguma decepção quando as expectativas estão tão altas.